Nesse espaço

Textos psicografados, romance, Umbanda, Espiritismo compõem a tônica do A Alma das Coisas.
By
Annapon ( escritora e blogueira )

Romance Mediúnico

A Missão das Quatro Estações - romance mediúnico -

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

Oxalá - Oyá Tempo -





O Campo Aberto 
Escrito por Mãe Lurdes de Campos Vieira


 As divindades regidas pelo tempo e pelo espaço têm seu santuário natural nos campos abertos.

 Entre elas estão nosso pai Oxalá, nossa mãe Nahê-iim (tempo) e nosso pai Oxumaré. Um culto realizado em campo aberto, no tempo, dilata nossos sete campos magnéticos, tornando-nos muito "leves". 

Oxalá é o mistério regente do campo aberto. 

No ritual de Umbanda, é o maior dos orixás, é o regente do nosso planeta, o Logos Planetário. 

Seu poder não tem limites e sua força cristalina de atuação é o ar e o tempo, dando-nos o oxigênio que sustenta a vida. 

Ele atua em todos os lugares, equilibrando manifestações ou devolvendo o equilíbrio do corpo e do espírito. 

Ele irradia o mistério da fé de forma contínua, o tempo todo, durante todo o tempo, em todos os sentidos e a todos os seres suas irradiações nos chegam pela essência cristalina e nos imantam com o sentido da fé.

Nahê-iim, Tempo, é uma divindade ativa da fé, é cósmica, absorvente, negativa, ativa, temporal, com irradiação magnética alternada, ora intensificando a religiosidade se estamos apáticos, ora esgotando-a, se a mesma se desvirtuou. 

Ela é ordenadora do caos religioso e atua com rigor sobre aqueles que desvirtuaram sua fé. 

Sua essência original também é cristalina.

Oxumaré é uma divindade temporal; é renovador da vida; é cósmico, ativo e com atuação alternada.

 Seu magnetismo ondeante é negativo e dilui as agregações que perderam sua estabilidade natural ou suas condições ideais. 

Seu fator renovador modifica um meio ambiente, uma agregação, uma energia, um elemento e até sentimentos íntimos dos seres.

 É diluidor dos acúmulos de energias minerais, tanto na natureza quanto nos seres.

 Oxumaré rege sobre a energia Kundaline e sobre a sutilização das energias sexuais. mãe Nahê-iim = Oyá-tempo (Logunan).

Movimento Umbanda Astral - Rodrigo Queiróz -

A “Cúpula” e uma grande ideia
por Rodrigo Queiroz

Os teóricos que defendem a ideia da Umbanda ter um “pé” na Atlântida não estão errados – não quando dizem da influência do povo de Atlântida sobre o culto que denominamos Umbanda. No entanto, parece ser uma falha histórica insistir que vem de Atlântida pra cá. Isso é pouco provável, pois os espíritos, Mestres da Luz, ensinam que no Astral existe uma corrente que se denomina “Movimento Umbanda Astral” idealizado e fundamentado por mentes brilhantes de povos já extintos da face terrena. Esta “Cúpula” é composta pelos Atlantes, Lemurianos, Incas, Maias e muitos outros que entenderam num determinado momento que precisavam fazer algo para a convergência de todos os povos para uma prática de trabalho espiritual que os unissem e acelerasse sua evolução.


É certo que no Astral não existem rixas religiosas. No entanto, saiba que cada segmento religioso tem uma estrutura espiritual própria que o sustenta e nisso ficam focados. Já o M.U.A. cria uma nova estrutura onde todos se encontram e compartilham de um mesmo espaço. Cada um oferece o que tem de melhor e juntos fazem um trabalho muito grande entre os humanos.

Só este fato já é o suficiente para entender o porquê de a Umbanda não manter dogmas, tabus ou preceitos como conversão ou não aceitação da antiga religião para o fiel Umbandista. Aliás, é muito comum Umbandistas pertencerem a outras religiões e vice-versa. Podemos perceber com isso que a Umbanda não é convencional e pode até não ser considerada uma religião quando tentamos formatá-la na concepção Ocidental. Umbanda é muito mais que isso; é essência, tal como a água enquanto único líquido capaz de sanar a sede.

Com o processo colonizador da Europa pelo mundo, duas nações foram quase exterminadas: os índios e os africanos, ambos considerados seres sem alma, e que serviram por longo tempo como valiosa moeda corrente. O índio é todo aquele que habitava naturalmente terras posteriormente conquistadas. Índio não tinha só no Brasil, por muitas outras regiões havia índios e apenas na África o povo nativo não foi denominado de índio e sim como africano. Aqui no Brasil, índio era o povo nativo e, cruelmente dizimado, hoje em dia representam apenas 0,25% da população nacional, ou seja, cerca de 400 mil indígenas em todo o país. Perceba então como foi a devastação destes povos que eram os donos desta terra considerada “terra de ninguém”. Como os índios não admitiam por honra ser escravizados, lutaram até a morte por sua liberdade; e morreram!


Começou então a busca por outra raça: os negros. Fisicamente mais avantajados e de certa forma mais passivos, foram retirados de sua terra original e deportados para terras estranhas onde deveriam escolher entre morrer ou se subjugar à escravidão. Para o africano, a vida tinha um valor imensurável, impedindo assim que arriscassem a vida para uma morte certa. Nasce a escravidão.


Milhares de incontáveis negros e índios foram bruscamente retirados da vida terrena criando no Astral uma “superlotação”. E um fator que os impediam de retornarem espiritualmente ao plano físico era justamente o pano de fundo pra toda essa chacina: a Igreja Católica, promotora de toda esta crueldade. Com a religião romana sendo imposta por todo o mundo, qualquer tipo de religiosidade diferente era considerado uma afronta e o religioso pagava com a vida pela desobediência.


O plano físico tornava-se cada vez mais denso e energeticamente pesado. Não foi à toa que a era medieval ficou apelidada como a “Era das Trevas”. Foi por conta desta situação que a tal “Cúpula” idealiza o Movimento Umbanda Astral – MUA e convoca todos os africanos e indígenas para esta nova corrente evolutiva. Tudo isso séculos antes de ocorrer a materialização deste movimento como citado anteriormente.


Vou abrir um parêntese para explicar a palavra UMBANDA. A vertente que defende a ideia de ser esta religião uma variante de Atlântida diz que esta palavra correta seria a junção de três fonemas mântricos; outros estudiosos alegam ser variante da palavra Yorubá “Embanda” = o curador, o sacerdote; outra diz ser UM Banda, união das bandas, união das raças, união do povo. A meu ver, este último é mais simpático e bem realista comparado com o histórico do ideal da “Cúpula”. Fecha parêntese.


Então, a “Cúpula” reuniu todos os espíritos que em sua última encarnação viveram como índios e negros, os separaram, e fez o levantamento do grau evolutivo e ancestralidade de cada um. Do índio predominou sua valentia e a vivência com o reino encantado e elemental; já do africano prevaleceram as curas magísticas e o panteão de culto ao Orixá.


Feitas as seleções, criaram os nomes simbólicos que traduzem ancestralidade, campo de atuação e atribuições do espírito. Exemplo: Ogum Beira-Mar = um espírito de ancestralidade Ogum que atua nos campos de Obaluayê e Yemanjá. Formataram um Grau evolutivo que agregaria estes espíritos e os arquétipos. Desta forma, este Grau pertence à 3ª faixa evolutiva superior e o nome para os indígenas ficou CABOCLO e para os africanos PRETO VELHO, representando de imediato a juventude e bravura na busca dos ideais e a sabedoria do ancião sábio “sofrido” respectivamente.

Aruanda é a cidade Astral que toma todo o Brasil estando assentada na 5ª esfera evolutiva, mantendo centenas de colônias em todas as outras faixas evolutivas. Nesta estrutura existem Escolas, Hospitais e Centros de Administração das funções do Astral com o plano físico. Com estes dois Graus em que um não é maior que o outro, eles atuam em frentes diferentes e estão assentados na mesma escala evolutiva e desenvolveram muitas atividades no Astral em benefício dos encarnados. Este trabalho tomou cada vez maior proporção e muitas outras vertentes evolutivas vieram se agregando ao MUA, enriquecendo cada vez mais sua atuação.


Séculos se passaram e o Brasil, já bastante desenvolvido, precisava de uma renovação religiosa. É quando começam preparar o “terreno” para a fixação da Umbanda em plano físico. Espíritos de Caboclos e Pretos Velhos se manifestam em todo canto que os permitisse, até que, depois de conhecidos, encarnam aquele que seria instrumento do Astral para marcar o ponto onde se formariam em plano físico um “sistema religioso” próprio para esta espiritualidade se manifestar. Surge a Umbanda como conhecemos.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...